loading...

O que poderá acontecer ao Portugueses se Inglaterra sair do EURO

O que poderá acontecer ao Portugueses se Inglaterra sair do EURO
Foto: Catholicherald.co.uk

Depois do acordo com Bruxelas que garante ao Reino Unido um “estatuto especial” na UE, David Cameron tem feito campanha pela permanência. Aqui, com voluntários da campanha Britain Stronger in Europe.

"Deve o Reino Unido permanecer como membro da União Europeia ou deve sair da União Europeia?"

É esta a pergunta a que milhões de eleitores britânicos vão ser chamados a responder no dia 23 de junho. Terão de optar por uma de duas respostas: permanecer ou sair.

De acordo com um estudo de uma empresa de pesquisas britânica, a média das últimas seis sondagens revela que 45% dos eleitores defendem o brexit (a saída da Grã-Bretanha da União Europeia) enquanto 55% preferem continuar na União. Uma diferença demasiado pequena para garantir segurança a qualquer uma das campanhas.

Ainda assim, apesar da tendência pró-europeia, para a Câmara de Comércio Luso-Britânica, a incerteza quanto ao futuro fora da União Europeia é o que mais preocupa os empresários portugueses com negócios no Reino Unido.

"Nós sabemos o que é a União Europeia. Trabalhamos dentro da União Europeia, entendemos como funciona a União Europeia e portanto, se os eleitores britânicos decidirem continuar na UE, para nós isso não será novidade, não haverá surpresas", disse ao DN Bernardo Ivo Cruz, presidente da entidade.

Mas caso a opção seja pela saída da UE, o caso muda de figura. "Nós não sabemos o que poderá ser a relação do Reino Unido com o resto da Europa no caso do não [sair] ganhar. Não sabemos nós e não sabe ninguém, porque as posições que até agora têm sido tomadas publicamente pelos apoiantes da saída não esclarecem o que se espera ou o que eles esperam que aconteça ao Reino Unido", explica o empresário.

Augusto Nunes é um dos gerentes de uma cadeia de restaurantes, supermercados e cafés em Londres. É com orgulho que diz que só a sua fábrica de pastelaria "produz mais de 20 mil pastéis de nata por dia." O Madeira é um dos mais antigos grupos empresariais portugueses no Reino Unido e muito do que produz e vende depende do que importa de Portugal. Talvez por isso a preocupação deste emigrante seja sobretudo eventuais alterações às políticas fiscais.

"A única coisa será nos bens essenciais, nos géneros alimentícios, que irão ser taxados depois. Atualmente, tudo o que se refere a géneros alimentícios não paga IVA em Portugal [...] mas pagamos aqui depois na venda. Haverá também a parte da burocracia. Depois [de uma eventual saída da UE] haverá mais documentos para preencher", disse ao DN o empresário português, a viver há 30 anos no Reino Unido.

Emprego e livre circulação

Já Paulo Costa, informático a viver em Londres há quatro anos, confessa que o que mais o preocupa são dois assuntos que considera essenciais: emprego e liberdade de movimentos. Ao DN, este lisboeta explicou que os seus receios se baseiam na possibilidade de "um certo número de empresas mais tecnológicas, mais móveis, começarem a pensar duas vezes sobre se é bom ficar aqui ou se será melhor ir para outro país europeu como a Holanda... ou até Portugal", explica.

Por outro lado, Paulo teme que os seus filhos, que hoje têm a possibilidade de "vir trabalhar para cá", deixem de o poder fazer com a mesma facilidade. Se o Reino Unido sair da UE, o informático teme que lhes aconteça "o que aconteceu da primeira vez que eu vim para cá, que é precisar de um visto. Na altura, Portugal já fazia parte da Comunidade Europeia mas ainda estávamos num período de transição e por isso era preciso uma justificação para que nos dessem um visto que era sempre temporário", explica.

Preocupação semelhante tem Fernanda Correia, que em relação aos "novos emigrantes" diz temer que a situação "volte ao que era antes, em que provavelmente vão ter de ter vistos." No entanto, esta gestora natural de Mirandela acredita que "em relação às pessoas que estão cá e já a viver há muitos anos, que estão a trabalhar e com contratos de trabalho, as suas condições continuarão como eram antes."

A viver no Reino Unido há 26 anos, Fernanda Correia assegura que a informação que existe não chega e é de difícil compreensão para muitos imigrantes portugueses, sobretudo para os que têm dificuldade com a língua inglesa. "As pessoas não têm informação suficiente. Nem eu própria tenho, mesmo estando constantemente a ler informação acerca disso, mas não é claro ainda exatamente o que é que vai acontecer se o Reino Unido sair da união."

"Há muitas pessoas que por falta de informação pensam que se amanhã o Reino Unido sair da UE nós somos mandados de volta para Portugal. Há muita gente que pensa isso e está preocupada com isso [...], principalmente quem tem possibilidades socioeconómicas mais limitadas", esclarece a gestora.

Crise na Escócia

A eventual saída do Reino Unido da União Europeia pode causar um grave problema interno. A Escócia e o governo liderado pelo Partido Nacionalista Escocês exige a permanência na União. A primeira-ministra Nicola Sturgeon já garantiu mesmo que, havendo um brexit, haverá também um novo referendo sobre a independência, permitindo que uma Escócia independente adira à União.

Tiago Botelho é professor universitário, viveu quatro anos na Escócia, onde deu aulas na Universidade de Glasgow. Hoje vive em Inglaterra, em Norwich, mas continua a acompanhar o que se passa mais a norte. "Isto é visto por grande parte dos independentistas como uma janela de oportunidade para poderem pensar no que fazer a seguir. A maioria da população não quer sair da União Europeia e como tal isto é visto como uma oportunidade única de se conseguir algo mais. Se se confirmar um brexit vão existir pressões internas para que a Escócia saia do Reino Unido e que entre para UE", disse.

Esta não será a primeira vez que o Reino Unido vota sobre a permanência na União Europeia. Em 1975, os britânicos pronunciaram-se sobre o mesmo assunto. Na altura, 67% dos eleitores decidiram que o país deveria manter-se como membro da então Comunidade Económica Europeia, à qual tinha aderido apenas dois anos antes.

Mas a Grã-Bretanha quase sempre olhou de soslaio para o Velho Continente. Nunca aderiu ao espaço Schengen nem ao euro - David Cameron prometeu que nunca aderirá - e muitos dos seus cidadãos referem-se aos restantes países europeus como " a Europa", como se eles fizessem parte de um outro qualquer continente ou união de países.

Divórcio

O referendo à permanência do Reino Unido na UE é por isso o culminar de uma espécie de longo relacionamento amoroso minado pela desconfiança e sensação de injustiça. A promessa de "divórcio" surgiu em 2013, quando os partidos políticos britânicos já começavam a aquecer os motores para as legislativas de 2015.

Na altura, a oposição socialista de imediato acusou Cameron de ceder ao jogo dos nacionalistas do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP) que tem como principal bandeira precisamente a saída da União Europeia.

O então líder socialista Ed Miliband acusava o primeiro-ministro de estar com "medo do UKIP", depois de várias sondagens darem sinais de um considerável aumento do número de apoiantes do partido de Nigel Farage.

No entanto, desde a primeira hora que Cameron clarificou que seria a favor da manutenção na União, desde que alcançado um novo acordo que permitisse ao Reino Unido a conquista de um "estatuto especial" na Europa. E assim foi. No passado dia 20 de fevereiro, o chefe do governo conservador anunciou ter alcançado um acordo com Bruxelas que considera vantajoso para o Reino Unido e marcou o referendo para o dia 23 de junho.

David Cameron esclareceu também que faria campanha pela permanência na União, apesar dos seus opositores - muitos dos quais dentro do próprio governo e do Partido Conservador - esperarem mais por considerarem que o acordo alcançado "peca por defeito" porque continua a não garantir a soberania do Reino Unido.

Fonte: DN



Subscreva Newsletter

Escreva o seu email:

Entregue por FeedBurner