loading...

Mosquito portador de vírus zika e da febre-amarela aproxima-se de Portugal

Mosquito portador de vírus zika e da febre-amarela aproxima-se de Portugal
Foto: Rádio 98 FM

Ministério da Saúde espanhol anunciou que a presença do chamado “mosquito dos pântanos” foi detectada, pela primeira vez, em dois municípios da Extremadura.

A presença do mosquito tigre asiático, portador de vírus como o zika e outros que provocam doenças como a febre-amarela, foi detectada esta quarta-feira em dois municípios da Extremadura espanhola, região que faz fronteira com o Alentejo e a Beira Baixa. O alerta feito pelas autoridades espanholas não especifica, porém, quais são os municípios. Explicaram que a detecção do perigoso insecto foi confirmada por investigadores da Universidade da Extremadura no decorrer do projecto “Vigilância do mosquito tigre e análise da possível circulação do vírus do Nilo ocidental na Extremadura” que está a ser realizado por aquela instituição académica.

Este tipo mosquito (Aedes albopictus) chegou pela primeira vez à Península Ibérica, a um município da região da Catalunha, no Verão de 2004, supõe-se que através da importação de pneus usados vindos da Ásia. Uma década depois, já tinha invadido quase toda a costa espanhola no Mediterrâneo.

“Medidas de contenção”

A Concelhia de Saúde da região autónoma da Extremadura divulgou, entretanto, que esta entidade já realiza há algum tempo a “vigilância entomológica de vectores adultos e que até ao momento só foram detectados ovos do mosquito tigre”. Este indício da sua presença acelerou a implementação de “medidas de contenção” baseadas em acções de limpeza e desinfecção dos locais susceptíveis de poder vir a acolher o “insecto dos pântanos” oriundo dos trópicos.

As autoridades espanholas recordam que, após a sua detecção na Catalunha em 2004, não foi mais possível a sua erradicação e neste momento está em “clara expansão” pela bacia mediterrânica, de tal forma que, até 2017, a espécie tinha sido detectada no País Basco, Aragão, Comunidade Valenciana, Ilhas Baleares, Múrcia e Andaluzia.

As autoridades de saúde pública da Extremadura acrescentam que tanto os insectos como os vírus “não conhecem fronteiras” e alertam para a transmissão de doenças como a do vírus zika ou a febre-amarela e mais de duas dezenas de outras patologias infecciosas e virais.

Na página online do Ministério da Saúde espanhol e na informação sobre “Sinais e Alertas Sanitários para a detecção do mosquito tigre” adiantam-se as principais razões pelas quais esta espécie se tenha expandido para novas regiões tão rapidamente: mudança climática, migração de pessoas para outros países, resistência a insecticidas e mudanças ambientais provocadas pela desarborização e desmatação de espécies autóctones.

Este tipo de mosquito distingue-se facilmente da espécie comum porque tem um tamanho entre 5 a 10 milímetros com uma linha branca vertical na área central da cabeça e extremidades. Sobrevive em óptimas condições quando a temperatura ambiente varia entre 25 e 30 graus. Os seus períodos de maior actividade são entre Maio e Novembro e deambula sobretudo nas primeiras e últimas horas de sol.

As fêmeas são as responsáveis pelas picadas por necessitarem das proteínas do sangue dos humanos para completar a maturação dos seus ovos. O nosso sistema imunitário reconhece a substância introduzida pelo insecto como algo estranho ao organismo e ataca, provocando inflamação na zona da picada.

O Ministério da Saúde espanhol adverte que o mosquito tigre provoca nalguns casos “reacções alérgicas graves" e até a morte, como aconteceu na Grécia durante o Verão de 2010.

Fonte: Público



Loading...

Subscreva Newsletter

Escreva o seu email:

Entregue por FeedBurner