loading...

Centenas de pessoas dormem em lojas do McDonald’s em Hong Kong

Centenas de pessoas dormem em lojas do McDonald’s em Hong Kong
Foto: Joao Neto (Twitter)

Unidades 24 horas da rede de fast food recebem centenas de pessoas que usam seus estabelecimentos para se abrigar durante a noite.

Em apenas cinco anos, o número dos chamados McRefugees em Hong Kong aumentou seis vezes — são pessoas que passam suas noites dormindo em unidades 24 horas do McDonald’s. As lojas da marca servem como uma espécie de albergue temporário para quem quer um lugar para pernoitar. 

Um estudo conduzido pela organização sem fins lucrativos Junior Chamber International (JCI) contabilizou 334 pessoas dormindo nas unidades do McDonald’s de Hong Kong durante os meses de junho e julho. O número teve um aumento considerável desde 2013, ano em que foram registradas apenas 57 pessoas dormindo nos restaurantes da rede espalhados pela cidade.

Em 2015, uma mulher entre 50 e 60 anos chegou a morrer em um dos restaurantes do McDonald’s em Hong Kong. Ninguém a notou durante aproximadamente sete horas. A cidade é uma das mais desiguais do mundo em termos de distribuição de riqueza, segundo uma reportagem da BBC

Os pesquisadores da JCI visitaram 110 unidades 24 horas do McDonald’s em Hong Kong e descobriram que nem todos que dormiam nos restaurantes da rede eram moradores de rua. Mais de 70% dos entrevistados disseram que tinham um outro lugar para dormir. Outro fato não esperado foi que a maioria também tinha um emprego, fosse de tempo integral ou meio período, desafiando a percepção comum de que essas pessoas estavam ali por estarem desempregadas.

Essas pessoas têm onde dormir, mas não querem voltar para casa”, afirmou a responsável pelo estudo, Jennifer Hung em entrevista à CNN.

Uma possível razão é que muitas delas enfrentam desafios socioeconômicos, como os altos preços dos aluguéis e as contas de luz cada vez mais caras. Jennifer relembra o caso de um homem que relatou não conseguir pagar um ar condicionado. Ele vivia com outras pessoas em um apartamento que não tinha janelas. Em vez de comprar o eletrodoméstico, o senhor resolveu aproveitar o espaço do McDonald’s nos dias mais quentes.

Hong Kong tem um dos mercados imobiliários mais inacessíveis do mundo, de acordo com um estudo de 2017 feito pela Demographia, organização que procura democratizar a habitação na cidade. O preço dos imóveis subiu de uma média de US$ 770 por metro quadrado, em 1997, para mais de US$ 1.700 atualmente.

A demanda crescente pelas lojas do McDonald’s também pode ser explicada pelas relações conflituosas ou até mesmo pela solidão. “Descobrimos que quem está frequentando o local não é só frágil financeiramente, mas também está carente”, afirma Jennifer.

A JCI recomendou diversas medidas ao governo de Hong Kong, incluindo o fornecimento de mais recursos para organizações que promovem a assistência social.

Fonte: Epoca Negocios



Loading...

Subscreva Newsletter

Escreva o seu email:

Entregue por FeedBurner