loading...

ALERTA - Não use este tipo de pó de talco

(2 votos)
ALERTA - Não use este tipo de pó de talco
Foto: Bancodasaude.com

O tribunal do Missouri condenou a empresa de cosméticos a pagar 65 milhões de dólares à família de uma mulher que morreu devido a um cancro nos ovários, alegadamente causado pela utilização do pó de talco da empresa.

Um júri do Missouri condenou a empresa de cosméticos Johnson & Johnson a pagar uma indemnização de 72 milhões de dólares (cerca de 65 milhões de euros) à família de Jacqueline Fox, norte-americana que morreu em Outubro do ano passado vítima de um cancro nos ovários. A família alega que a morte da mulher de 62 anos foi causada pela utilização do pó de talco da marca de cosméticos, que alegadamente contém ingredientes cancerígenos.  

O caso de Jacqueline Fox, natural de Birmingham, Alabama, faz parte de uma reivindicação mais ampla no circuito da St. Louis, que envolve cerca de 60 pessoas. O filho de Fox, Marvin Salter, apresentou queixa após a morte da sua mãe, mais de dois anos depois de lhe ter sido diagnosticado cancro.

Salter afirmou que a sua falecida mãe utilizou o pó de talco da Johnson & Johnson durante cerca de 35 anos. “Era natural para ela [utilizar o pó de talco], tal como lavar os dentes”, afirmou, citado pelo jornal The Guardian.

A empresa de cosméticos é também acusada de ter ignorado durante anos as reivindicações de que os seus produtos baseados no talco poderiam causar cancro, numa tentativa de aumentar as suas vendas. Jere Beasley, um dos advogados da família Fox, afirmou que a Johnson & Johnson tinha conhecimento da possibilidade de os seus produtos conterem ingredientes cancerígenas há várias décadas. “Mesmo assim, [a empresa] mentiu ao público e às agências reguladoras”, afirmou Beasley, citado pela Reuters, no final de uma conferência de imprensa. Nas últimas décadas, cerca de mil casos foram arquivados no Missouri e outros 200 em New Jersey.

As acusações contra a Johnson & Johnson não são, portanto, de agora. Já em Maio de 2009, vários grupos juntaram-se numa iniciativa para pressionar a empresa a eliminar ingredientes suspeitos de conterem propriedades cancerígenas dos seus produtos de higiene pessoal para bebés e para adultos. Em 2012, depois de várias petições, publicidade negativa e de uma ameaça de boicote, a empresa acabou por ceder, eliminando progressivamente vários destes ingredientes dos seus produtos.

Espera-se agora que a empresa de cosméticos recorra da sentença em tribunal. “Não temos maior responsabilidade do que a saúde e segurança dos consumidores, e estamos desapontados com o resultado do julgamento. Estamos solidários com a família do queixoso [Martin Salter], mas acredito firmemente que a segurança do cosmético de talco é suportada por décadas de evidência científica”, afirmou Carol Goodrich, porta-voz da Johnson & Johnson, à Reuters.

O talco é um mineral extraído a partir do solo, composto por magnésio, silício, oxigénio e hidrogénio. É bastante utilizado em cosméticos e produtos de higiene pessoal, nomeadamente o pó de talco, que se tornou um produto emblemático da Johnson & Johnson.

Fonte: Público

 

loading...

Subscreva Newsletter

Escreva o seu email:

Entregue por FeedBurner